Rebeldes Criativos: geração de inovadores

Folha solta do diário de Antonio Zeroastro, de 13 de maio de 2021 – Me deixe ser, #devir7
18 de dezembro de 2017
Quem somos nós?, #devir8
25 de dezembro de 2017

Quem são os rebeldes criativos, a geração de inovadores que cria novos mundos sociais?

 

Só é inovação se dá dinheiro

Vivemos uma crise de inovação. Provavelmente você discorde, pois podemos dizer que nunca tivemos tanta inovação por aí. Mas não é desta definição de inovação que estou me referindo. A inovação tal como concebemos hoje limitou-se ao objetivo de obter resultados que possam solucionar problemas e gerar valor. A inovação passou a ser refém de uma cultura de mercado, viciada na busca do seu próprio rabo.

O primeiro teórico clássico da inovação foi o economista e cientista político austríaco Joseph Alois Schumpeter (1883-1950), que exemplifica inovação das seguintes formas: a criação de um novo bem no mercado, a invenção de um novo método de produção ou comércio e a descoberta de novas fontes de matérias-primas. Realizar isso, para Schumpeter, significa um “ato empreendedor” que visa a obtenção de lucro. A inovação passa a ser entendida então como uma conquista de vantagem do ponto de vista apenas econômico, inclusive tendo sua finalidade reduzida para este propósito.

Quando eu vejo a maioria esmagadora das startups existentes, me parece sumir no vazio dos olhos destes jovens empreendedores uma motivação que, por ser genuinamente inovadora, deveria também ser mais humana. Saltam sim, de seus olhos, os cifrões e uma motivação do tipo “tio patinhas”. O que vemos é a empolgação pela ideia que pode dar mais dinheiro (e que seja rápido) para, tão logo conquiste um MVP para rentabilizar o negócio, partir para outro empreendimento com o mesmo fim. Particularmente não vejo problema algum nisso, que fique claro. É óbvio que a saúde e estabilidade financeira de qualquer empreendimento precisa estar na ordem do dia. Mas para rebeldes criativos, não apenas. A inovação pode estar escravizada e condicionada pela busca do lucro para os primeiros, mas não para estes. A principal motivação de rebeldes criativos é outra…

A redução da inovação para um propósito meramente econômico não é algo recorrente somente na maioria destes jovens empreendedores. Eles foram e estão sendo influenciados pelos seus próprios líderes e gurus eleitos. Veja o que alguns destes pensadores e empresários famosos formularam a respeito de inovação:

  • Para Peter Drucker, inovação é o ato de atribuir novas capacidades aos recursos (pessoas e processos) existentes na empresa para gerar riqueza.
  • Ernest Gundling, da 3M, dizia que inovação é uma nova ideia implementada com sucesso que produz resultados econômicos.
  • Para Jack Welch, ex-presidente da GE, inovação é um processo contínuo de criação e captação de novos conhecimentos e ideias com a aplicação na organização com o intuito de se elevar a novos patamares.
  • Jeff Bezos, presidente da Amazon, por sua vez, argumenta que inovar é fazer algo que nunca foi feito antes, mesmo estando sujeito a críticas.
  • Steve Jobs argumentava que inovação é o que distingue um líder de um seguidor.

Observando estas definições, podemos dizer que cada autor define inovação do jeito que quer, mas talvez possamos encontrar algum isomorfismo (em seu sentido metafórico) entre elas.

 

A inovação não segue os códigos da Matrix

O que passa desapercebido aqui é que qualquer uma destas aplicações sobre inovação já nascem adequadas para funcionarem dentro de um mesmo padrão. Ainda que algumas regras possam ser quebradas ou adaptadas, o modus operandi continua o mesmo. Estou falando da reprodução do padrão mítico-sacerdotal-hierárquico-autocrático que caracteriza a cultura patriarcal, que há quase seis milênios conduz o que fazemos, direciona o que pensamos, mantendo-nos obedientes a esta ficção que inventamos e combinamos acreditar juntos.

Inovação tal como desejo tratar aqui, inovação MESMO, são aquelas capazes de criarem bolhas neste campo cultural que possibilitem experenciarmos formas de convivência mais colaborativas, abundantes, criativas, horizontais, ou seja, humanas. O homem como lobo do homem, a natureza hierárquica, o modo de viver competitivo, a luta contra qualquer suposto inimigo (das invenções divinas ou humanas), pouco importa, tudo isso é ficção reproduzida há milênios através desta mesma cultura que atravessa a geografia e a história nos reduzindo à uma condição que não reflete nossa humanidade (entendida aqui no sentido que o biólogo chileno Humberto Maturana atribui ao que nos humanizou).

Quando uso a metáfora da bolha para exemplificar as inovações criativas capazes de não estarem sujeitas ao campo cultural patriarcal, é justamente para trazer a ideia da fragilidade e existência fugaz que caracterizam estas disrupções, uma vez que a pressão externa sobre estas bombas criativas (um conceito criado por Augusto de Franco em seu incrível Small Bangs) rapidamente as deformam, contorcem, para por fim, explodirem.

 

Como o blockchain está sendo sequestrado

Para exemplificar o que disse até aqui, tomemos o blockchain, criado há quase 10 anos. Ao invés de vermos a aplicação da sua mecânica disruptiva para com os modos de controle centralizados (potencializando o fenômeno da sociedade-em-rede), o que se está ensaiando é a apropriação desta tecnologia pelos mesmos stakeholders (econômicos, estatais e jurídicos) de modo usar seu sistema de base de dados distribuído (que guarda um registro permanente das transações, à prova de violação) para automatizarem seus atuais processos de controle, eliminando assim tanto a possibilidade de “erros” humanos serem cometidos quanto a “culpa” e o alívio de pressões (existentes nas relações humanas) quando o sistema aplicar automaticamente as sanções e punições previstas nas regras de negócio, prevista em um smart contract, por exemplo.

Podem dizer que o “cliente” concordou com os termos do contrato antes de entrar para seu sistema. Cara pálida, me diga qual opção você criou para ele? Seu cliente é seu gado caminhando em fila indiana para o matadouro de sua própria humanidade, e você ainda irá dizer que ele concordou com tudo aquilo, e que quem aplica é o blockchain de sua empresa, e que infelizmente você não tem nada com isso.

O blockchain é uma tecnologia que permite a distribuição, mas algumas pessoas a distorcem levando à centralização, uma vez que a maioria destas pessoas ainda confundem descentralização com distribuição. É como dissemos em NabucoFin, “eles têm a tecnologia digital de rede, mas falta-lhes a tecnologia social”. Criar sistema descentralizados, equivale a criar justamente ainda mais hierarquia, a base sobre a qual se ergue toda cultura autocrática. Não são topologias centralizadas um perigo para a liberdade de nossas humanidades, e sim as descentralizadas, capazes de criarem os intermediários – únicos capazes de cortar, bloquear ou impedir os fluxos interativos. A confusão entre os termos descentralizado e distribuído contribui para empresas baseadas em comando-controle saírem ainda com uma cara cool quando criam aderem ao modo blockchain

Sim, são com os óculos que nos permitem enxergar além da Matrix mítica-sacerdotal-hierárquica-autocrática que podemos reconhecer facilmente pessoas e movimentos realmente inovadores, e eles não tem nada a ver com sua data de nascimento ou com esta recente invenção sobre qual geração pertencem.

 

Ter nascido na geração Spock ou Yoda não faz diferença nenhuma

Se fala em Baby Boomers (nascidos entre 1946 e 1964), Geração X (entre 1965 e 1977), Geração Y ou Millenials (entre 1978 e 1995), Geração Z ou Nativos Digitais (nascidos após 1995). Pra quem gosta da farra dos modismos neo-espiritualistas, tem ainda as crianças índigo, cristal e, agora, as arco-íris que, de uma maneira ou outra, se interpenetram entre estas gerações.

Não é o objetivo deste artigo analisar os diferentes comportamentos e características que estas gerações (dizem que) podem ter, como os pretensos analistas que adotam a visão de uma espécie de evolução cultural (ou coisa pior) o fazem. O que desejo esclarecer é que a Geração Z ou a arco-íris, ou mesmo a geração Spock e Yoda inventadas aqui, podem ser tidas como o suprassumo por qualquer teoria tirada da cartola do chapeleiro maluco, mas na real, não fazem diferença nenhuma. Não produzem qualquer inovação que não seja repetir os mesmos padrões culturais patriarcais. Ou seja, qualquer geração pode pensar, se comportar e empreender apenas mais do mesmo, sendo controlada ou criando e aperfeiçoando os sistemas hierárquicos vigentes.

Como estamos falando de uma cultura em atividade por quase seis milênios, ela está presente em todas as áreas ou dimensões de nossa vida social: finanças, alimentação; saúde; educação; moradia; vestuário; transporte; viagens e hospedagens; comunidade e vizinhança; relacionamentos; entretenimento; comunicação; empreendimentos; política; filosofia, ciência e tecnologia; arte; e espiritualidade.

Assim podemos ter jovens hoje com a mesma cabeça de jovens do século passado ou, pior ainda, com uma cabeça colonizada pelas mesmas ideias-implante autocráticas de sempre. A verdade é que podemos ter idosos muito mais inovadores que jovens, seja em sua fase rebelde ou recém saídos das universidades (se bem que estas são centros reprodutores desta mesma cultura guerreira e aniquiladoras da inovação).

O pior não é só isso. Temos movimentos e/ou pessoas que fizeram inovação há séculos ou milênios passados que, se aplicados hoje, ainda seriam escandalizadores aos nossos padrões. Ou seja, a inovação não evolui, ela ocorre a qualquer tempo, e sempre será disruptiva para o padrão hierárquico ou a Matrix realmente existente. Tomemos por exemplo a invenção da democracia pelos gregos.

 

A inovação é desnecessária e atemporal

A primeira invenção da democracia, pelos gregos, durou de 509 a 322 a.E.C. A democracia foi uma invenção coletiva que ocorreu na Agora, em Atenas, como um movimento de desconstituição de autocracia, ou seja, da Matrix.

Do ponto de vista da democracia, entendida aqui como um movimento de desconstituição de autocracia, tudo começou em consequência da intervenção de Psístrato, que deu um golpe militar e introduziu a tirania em Atenas em 546. Chegou um momento em que a koinonia política decidiu que não desejavam mais ser governada por um senhor (lembrando aqui a descrição que Ésquilo faz em Os Persas sobre os atenienses, de que eles “não são escravos, nem súditos de ninguém” – algo inimaginável para a época), e assim nascia a democracia ateniense. Um bolha no espaço-tempo dos fluxos, que como tal, frágil e efêmera, durou até o momento em que uma oligarquia foi imposta em Atenas por Antipatro, regente do império de Alexandre.

Sufocados por milênios em uma sociedade de senhores, os atenienses abriram uma janela para respirar, e presentaram o simbionte social com a mais formidável antecipação de uma era interativa que já ocorreu nos seis milênios considerados de “civilização”. Foi a democracia, sim, inventada de forma fortuita e gratuita. Por isso é interessante percebermos aqui que ela não derivou de nenhuma necessidade. Aquelas pessoas poderiam desejar continuar sendo governadas por um senhor. Poderia estar tudo ótimo.

Em tempos atuais, talvez você não se importaria em morar sob a ditadura do sultão de Brunei, Hassanal Bolkiah (que chegou a ter uma fortuna avaliada em quase 40 bilhões de dólares), um paraíso, pois lá quase não tem corrupção e, ainda por cima, o autocrata dá a todos os habitantes do país uma espécie de “bolsa-família” muito maior que a brasileira, e todos tem moradia, educação e saúde gratuitos. Com o segundo maior índice de desenvolvimento humano entre as nações do sudeste asiático (só perde para Singapura), Brunei é classificado em 5º no mundo em produto interno bruto per capita em paridade de poder aquisitivo de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI). A quinta nação mais rica entre 182 nações (Forbes, 2012).

Agora, depois de ter tantas vantagens, não teria mesmo como ser tolerado quem fale mal do governo em um regime totalitário, não é mesmo? Seja um cidadão comum, um empreendimento, ou a imprensa, tudo está muito bem controlado e vigiado, sujeito a punições severas a quem não obedecer as ordens e leis do ditador. Brunei, faz parte das 60 ditaduras que remanescem no mundo contemporâneo, e sua população junta-se a mais da metade das pessoas do planeta que simplesmente desconhecem o que é democracia, vivendo sob regimes autocráticos.

A democracia está na esfera da liberdade porque é desnecessária. Simplesmente a inventamos porque assim desejamos. E é justamente isso que nos torna vulneráveis ao acaso e ao imprevisível; ou seja, livres. Lembrando o poeta Manoel de Barros (2010) em Menino do Mato:

“Livre, livre é quem não tem rumo”

Só há inovação se há liberdade para inovar. E aqui talvez já tenhamos condições de dizer que a liberdade é um atributo de como as pessoas se organizam. Se não houvesse formado o sentido público na praça de Atenas, com os cidadãos atenienses conversando livremente sobre os problemas de sua cidade, se aquela bolha não houvesse se formado na praça do mercado, talvez até hoje não saberíamos o que é democracia. É evidente que se nossos modos de convivência estão organizados de modo mais centralizado, hierárquico, os intermediadores são dotados de poder de controlar os fluxos. Mas se nos organizamos de modo mais livre, distribuído, em rede, os caminhos se revelam, as conexões se multiplicam, a interação aumenta e os fenômenos que ensejam a criatividade e inovação pipocam por toda a rede. Um bom gráfico que ilustra isso, é o diagrama de Baran, abaixo:

Aqueles sofistas, democratas, livres, sim, eram rebeldes criativos! Mas é surpreendente que, depois da experiência dos gregos, a democracia em seu sentido forte – entendido como um modo de vida comunitária que regula a estrutura e a dinâmica de uma rede social – teve um interregno autocrático de praticamente dois mil anos. Apesar de podermos dizer que tivemos algumas experiências locais neste meio tempo, todas foram insuficientes diante da tendência autocrática predominante.

Depois da experiência fundante da democracia grega, ou seja, da primeira invenção da democracia, os modernos reinventaram a democracia no Estado-nação europeu recém surgido naquele século 17. Se, novamente, colocarmos os óculos para ver a Matrix, perceberemos que a democracia como movimento de desconstituição de autocracia (e não como forma de governo), foi reinventada pelos modernos com o objetivo de limitar as atividades do Estado. Contra a monarquia absolutista de Carlo I na Inglaterra, a democracia continuou sendo um movimento de desconstituição de autocracia.

Não houve evolução, não houve continuidade, não há nenhum tipo de conexão ou ligação entre a primeira e segunda invenções da democracia. A liberdade para criar, inventar, tem a ver com kairos, não com kronos. Ambas as invenções foram surpreendentemente inovadoras por criarem um modo de convivência – que poderíamos ousar chamar aqui de motherboard das tecnologias sociais – baseado em um modo não-guerreiro de regulação de conflitos, o que vai contra todo o entulho patriarcal e autocrático que inunda nossa história. A inovação passa, portanto, necessariamente pela criação de redes: a única coisa capaz de protegê-lo do controle das organizações hierárquicas, independentemente da área onde o controle se exerce sobre você.

Estamos falando de experimentação concreta de convivência social em rede. Não se trata de dogma, de uma causa, de uma ideologia para outros aderirem. Inclusive tentar explicar isso é infrutífero, pois há milhares de ideias-implante rodando em nossas cabeças que rapidamente encontram “provas irrefutáveis” de que isso não funciona ou não existe. Trata-se de ação. De pessoas que desejam viver mais livres. Não importa se nas Ilhas na Rede de Bruce Sterling ou nas bolhas limitadas espaço-temporalmente como aquelas TAZ de Hakim Bey, mas é importante que façamos isso sem nos isolar em uma comunidade alternativa, em algum lugar utópico sem conexões com os que não pensam da mesma maneira, fechado à interação fortuita, ao outro-imprevisível.

Permanecemos no mundo. Só que agora são muitos mundos. E rebeldes criativos são portas para outros mundos possíveis e imprevisíveis.

 

Serei o que seremos

A crise de inovação que estamos vivendo (citada no início deste artigo) é também uma crise do pensamento. Depois de quase 6 milênios de sociedade hierárquica, todo o padrão civilizatório atual entrou em crise com a emergência de uma sociedade-em-rede. Todavia, com os índices de interatividade aumentando, está sendo possível cada vez mais que pessoas livres possam ter novas ideias, ao encontrarem janelas de respiros ou caminhos para pensarem de uma nova maneira, aberta, sem a busca de ter seu sentido previamente aceito ou autorizado por quem se coloca no papel social de fiscal ou juiz dos pensamentos de outrem.

Somos rebeldes criativos porque pensamos diferente do status quo, inquietos, pensamos estar desajustados por muito tempo porque não nos conformamos com o mundo em que vivemos. Mas não queremos mudar o mundo. Isso não é mais necessário. Na sociedade-em-rede são múltiplos mundos. Criamos o nosso próprio mundo em sintonia e sinergia com outros rebeldes criativos, viajantes destes interworlds do cosmos social no espaço-tempo dos fluxos.

Seguimos desobedientes pelo nosso não-caminho. Não seguimos as pegadas ou os córregos que formam açudes. Seguimos como redemoinhos de água no rio sempre a correr.

Não nos submetemos a qualquer mestre, ser humano ou deus, que não faça parte do espírito livre que habita no entre-nós. Não nos interessa sermos mais que humanos, um super-homem ou alcançar uma condição divina, pois nossa espiritualidade terrestre preenche nossos corações com o amor emergente de nossa amizade sincera.

Então desobedecemos a todos estes criadores de narrativas, codificadores de doutrinas e colonizadores de consciências, que tem pavor do desconhecido, do imprevisível e de tudo que escapa de seu controle.

Nos reconhecemos por sintonia, sem necessidade de símbolos, hinos, cumprimentos ou bandeiras. E dessa forma cocriamos, por sinergia, novos mundos sociais, nossa humanidade, como pessoas comuns movidas no fluxo do simbionte social.

Seguimos desobedientes a qualquer ordem preexistente, que nos sujeite a qualquer tipo de hierarquia, disciplina, obediência ou fidelidade. Somos livres porque somos infiéis. Somos filhos da ordem emergente animada pelos fluxos de nossa convivência não-guerreira. Por isso mesmo, não compramos qualquer guerra, e se há um inimigo, você é o inimigo.

Nos achamos quando nos perdemos na multidão, pois nossa pessoa é fluxo e muitos. Estamos aqui, ali e acolá, plantando nas praças, brincando nas ruas, bebendo nos butecos, contemplando os prédios e as montanhas, nos grupos do facebook, ao fundo dos selfies das outras pessoas, nas casas colaborativas, dançando no meio-fio de avenidas, cantando com os pássaros ao amanhecer.

Não temos heróis ou santos, somos a pessoa comum na história lírica, não épica, que se permite modificar pelo outro-imprevisível, um qualquer, aquele que é, fractalmente, toda humanidade, e não alguém laureado por se distanciar dela.

Seguimos desobedientes, profanos, sujos, impuros, ignorantes dos mistérios que se ocultam no Sanctum Sanctorum, porque nenhuma sabedoria celeste, angélica ou divina irá regular nossa humanidade, transformando-se nas doutrinas que legitimam as autocracias.

Somos rebeldes criativos. Somos o primeiro de uma nova espécie social.


Junte-se a uma rede de pessoas que lhe desafia
pensar diferente sobre como o mundo funciona.